A Delação Como Carreira

Sábado, Junho 30, 2007

Membro da JS denunciou cartaz polémico ao Partido Socialista

(Jornal de Notícias, 30 de Junho de 2007)

A sombra da delação e da perseguição política paira sobre o caso da exoneração da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho, apesar de todas as negações oficiais. Antes de se fechar em “blackout” informativo, o líder da concelhia local do PS admitiu ter sido um membro da Juventude Socialista de Vieira do Minho o “cidadão” que pediu o Livro Amarelo do estabelecimento para se queixar do cartaz da polémica. Um cartaz que reproduzia uma entrevista do ministro da Saúde, publicada no JN a 6 de Agosto de 2006, dizendo que nunca iria a um serviço de antendimento permanente (SAP).

Relatado ao PS local, o caso foi remetido ao PS nacional e o ministro da Saúde tomou as devidas medidas, adiantou o socialista Jorge Dantas à Antena Um. Caiu a directora do centro de saúde, Celeste Cardoso, esposa de um vereador independente da autarquia de Vieira do Minho, apoiado pelo PSD. Que fora nomeada para o lugar pelo Governo PSD/CDS, por “manifesto favor político”, deixou ontem escapar o ministro da Saúde, numa conferência de Imprensa convocada à pressa para justificar a demissão, já comparada ao afastamento do professor Charrua da Direcção de Educação do Norte.

Correia de Campos negou, contudo, estar em causa qualquer perseguição política. “Não há nenhuma matéria dessa ordem no despacho de exoneração”. Apenas a data da sua nomeação, anterior à chegada do PS ao Governo. E garante que Maria Celeste Cardoso “teve todos os prazos para recorrer da decisão e não o fez”.

Contactada pelo JN, a ex-directora – e actual funcionária administrativa do centro de saúde – disse não ter querido contar a sua demissão na altura (a 5 de Janeiro) por ser “recatada” e não gostar de “confusão”. Isto, apesar de a própria família “querer que seguisse para tribunal”. “Sabia que ia acontecer isto que está a acontecer”. E só responde “talvez” quando lhe falam em perseguição política.

Classificando de “mentira” algumas afirmações do ministro, Celeste Cardoso desmente que o cartaz “jocoso” – em que o médico Salgado Almeida, vereador da CDU em Guimarães, escreveu “Atenção! Você está num SAP Fuja! Faça como o ministro da Saúde deste pobre país corra para a urgência de Braga!” – tivesse estado exposto “vários dias”. “Foi posto na noite da quinta-feira 10 de Agosto. No sábado de manhã, uma funcionária ligou-me a dizer que estava lá um senhor a tirar fotos. Disse-lhe para tirar o cartaz”.

Além do PS, a foto chegou à Sub-região de Saúde de Braga a 17 de Agosto, altura em que a directora foi confrontada. Segundo o ministro, Celeste Cardoso foi instada a retirá-lo. Coisa que, garante ela, já fora feita, tal como o fora o inquérito interno que determinou o autor da brincadeira. Que este logo assumiu como um “acto irreflectido, sem intenção de prejudicar o ministro”. “Sentia-se indignado por considerar que as declarações do ministro desvalorizavam os funcionários dos SAP”. Foi repreendido e o processo entregue à sub-região. Quando esta lhe sugeriu que colocasse o lugar à disposição, recusou fazê-lo. “Não tinha culpa”. E diz que nunca lhe foi dito que instaurasse um processo ao médico. Coisa que, de resto, “não faria”. “Não havia motivo para tal. Eram declarações do ministro!”.

Para o ministro, Celeste Cardoso “desresponsabilizou-se”, manifestando “deslealdade para a tutela”, prova de que “não reúne condições” para seguir as orientações superiores na implementação das políticas do Ministério. “Demonstrou incapacidade para o exercício do cargo ao não impedir que um espaço de prestação de cuidados de saúde fosse utilizado para a luta política local”, lê-se no despacho assinado de 5 de Janeiro. Dois meses antes de a directora terminar a sua comissão de serviço.